Escolha em Ordem Alfabética os tema a serem procurados.


[ A ] - [ B ] - [ C ] - [ D ] - [ E ] - [ F ] - [ G ] - [ H ] - [ I

[ J ] - [ K ] - [ L ] - [ M ] - [ N ] - [ O ] - [ P ] - [ Q ] - [ R ]

 [ S ] - [ T ] - [ U ] - [ V ] -  [ W ] - [ X ] - [ Y ] - [ Z ]


   

   
   -  I  -

iatrogenia - Doenças ou complicações iatrogênicas, são aquelas decorrentes da intervenção do médico e/ou de seus auxiliares, seja esta intervenção certa ou errada, mas da qual resultam conseqüências prejudiciais para a saúde do paciente. A iatrogenia adquire maior importância nos indivíduos idosos, nos quais tanto sua incidência como a intensidade de suas manifestações costumam ser mais acentuadas.

iatrogênico - Referente a transtornos ou alterações causadas por tratamentos médicos ou cirúrgicos. Os transtornos podem ser físicos (p.ex., efeitos indesejáveis de medicação ou cirurgia) ou psicológicos (p.ex., temores de comentários ou atitudes de um médico).

id - Termo psicanalítico que designa a fonte de energia psíquica, em sua forma mais primitiva, apresentando-se sob a forma dos instintos ou pulsões, que são essencialmente de natureza biológica. O ID seria o instinto ou pulsão de vida, ligado à sobrevivência do sujeito e da espécie (libido ou desejo). É no ID que se concentram nossos sentimentos, desejos e experiências reprimidas e recalcadas. As idéias e os afetos contidos no ID não têm limite, são amorais e simbólicos.

ideação paranóide. Ideação de proporção menor que delirante, envolvendo suspeitas ou a crença de que o indivíduo está sendo assediado, perseguido ou injustamente tratado.

idéia supervalorizada. Uma crença irracional e firme, mantida com intensidade menor que delirante (isto é, a pessoa é capaz de reconhecer a possibilidade de a crença não ser verdadeira). A crença não é habitualmente aceita pelos demais membros da cultura ou subcultura da pessoa.

idéias de auto-referência - Interpretações mórbidas de acontecimentos externos comuns aos quais são atribuídos um significado pessoal, habitualmente de prejuízo. Tendem a ocorrer em indivíduos sensitivos em períodos de estresse e fadiga e são geralmente compreensíveis no contexto de situações da vida corrente; no entanto, podem constituir-se em precursores de convicções delirantes.

idéias de referência. A sensação de que incidentes casuais e acontecimentos externos têm um significado particular e incomum, específico para a pessoa. Devem ser diferenciadas de um delírio de referência, no qual uma crença é mantida com convicção delirante.

idéias de grandeza - Concepções exageradas das próprias capacidades, posses e importância que, sob forma delirante, se associam à mania, à esquizofrenia e às psicoses cerebrais orgânicas, p.ex., paralisia geral.

idéia obsessiva (obsessão) - A intromissão indesejável de um pensamento no campo da consciência de maneira insistente e repetitiva, reconhecido pelo indivíduo como um fenômeno incômodo e absurdo, é denominado de Pensamento Obsessivo. Portanto, para que seja Obsessão é necessário o aspecto involuntário das idéias, bem como, o reconhecimento de sua conotação ilógica pelo próprio paciente, ou seja, ele deve ter crítica sobre o aspecto irreal e absurdo desta idéia indesejável.

As Obsessões estão tão enraizadas na consciência que não podem ser removidas simplesmente por um aconselhamento razoável, nem por livre decisão do paciente. Elas parecem ter existência emancipada da vontade e, por não comprometerem o juízo crítico, os pacientes têm a exata noção do absurdo de seu conteúdo mental. Em maior ou menor grau, as Idéias Obsessivas ocorrem em todas as pessoas, notadamente quando crianças.

As idéias obsessivas podem aparecer, por exemplo, como uma musiquinha conhecida que "não sai da cabeça", ou a idéia de que pode haver um bicho debaixo da cama, ou que o gás pode estar aberto apesar da lógica sugerir estar fechado. Em crianças aparecem como um certo impedimento em pisar nos riscos da calçada, uma obrigatoriedade em contar as árvores da rua ou os carros que passam, etc. Estas idéias obrigatórias, quando exageradas e promovedoras de significativa ansiedade ou sofrimento, constituem quadro patológico.

A temática das Idéias Obsessivas pode ser extremamente variável, entretanto, em grande número de vezes diz respeito à higiene, contaminação, transmissão de doenças, bactérias, vírus, organização ou coisas assim. É muito freqüente também a existência de Idéias Obsessivas sobre um eventual impulso suicida, como por exemplo saltar da janela de edifícios, ou em ser acometido subitamente por impulsos de agressão e ferir pessoas, principalmente os filhos. Neste último caso a obsessão está justamente em acreditar que, diante de um mal estar súbito, a pessoa venha a perder o controle e executar, impulsivamente, aquilo que sugere tais idéias.

idéia prefalente ou superestimada - Há situações onde ocorre uma predominância dos afetos sobre a reflexão consciente, com subseqüente alteração do juízo da realidade e com repercussões secundárias no comportamento social do indivíduo. 

As Idéias Supervalorizadas são conhecidas também como Idéias Prevalentes ou Idéias Superestimadas. É quando o pensamento se centraliza obsessivamente num tópico especialmente definido e carregado de uma enorme carga afetiva. A imagem literária através da qual se estigmatiza o possuidor das Idéias Supervalorizadas é a do indivíduo fanatizado, cuja convicção acerca de sua Idéia Superestimada desafia toda argumentação em sentido contrário, inclusive a contra-argumentação embasada em elementos lógicos e razoáveis.

Tendo em vista a grande força sentimental propulsora da convicção prevalente, tal pensamento passa a ser dirigido exclusivamente pela emoção, comumente por uma emoção doentia e com total descaso para com a lógica ou para com a razão. A necessidade íntima convocada por este psiquismo problemático pode encontrar algum conforto na adoção de uma crença; seja ela política, religiosa, filosófica ou artística, de tal forma que o indivíduo se encontra cego para todas as evidências que não compactuem com sua idéia prevalente. Tudo aquilo que possa comprometer ou ameaçar o valor e o significado atribuído à Idéia Supervalorizada é recusado pela consciência e, quanto mais a realidade dos fatos sugerir conclusões contrárias à tais pensamentos, mais claramente perceberemos a sua não-normalidade.

identidade - Sentimento que uma pessoa tem de pertencer a um ou mais grupos. A identidade étnica consiste de atitudes, crenças, rituais, comportamentos, linguagem (ou dialetos), costumes, normas, aceitação social, habilidades sociais e valores adquiridos da própria família ou comunidade, do nascimento até ao final da adolescência. É uma importante fonte de amor próprio, status e prestígio para o indivíduo. Pode estar sobredeterminada (p.ex., chauvinismo nacional, racismo) em algumas condições psicopatológicas, nas quais a identidade individual, familiar ou nacional é fraca ou negativa. Problemas de identidade referem-se ao baixo nível de amor próprio e de autoconfiança e a confusão em relação à própria identidade. Tais problemas, freqüentemente associados a alterações do humor ou de ansiedade, podem ocorrer em indivíduos obrigados a se afiliar a culturas antagônicas ou mesmo conflituosas, como p.ex., filhos de migrantes, crianças adotadas por pais de etnia diferente da sua e crianças nascidas de casamentos interétnicos.

identidade de gênero - Convicção de ser do sexo masculino ou feminino, decorrente dos efeitos combinados de fatores biológicos e psicossociais.

ilusões - Segundo Bleuler, as ilusões são percepções reais falsificadas e estudadas sob o título engano dos sentidos. Trata-se, na realidade, da interpretação distorcida de um objeto real, uma falsificação da percepção de um objeto que, de fato, existe. É uma percepção enganosa de um objeto real.

Nesta caricatura do processo de percepção nossos sentidos são simplesmente enganados por alguma variável circunstancial (iluminação, distância, efeitos ópticos, etc.) ou deixam-se superar por alguma emoção. É o caso, por exemplo, de um ruído qualquer, parecer-nos passos misteriosos, das manchas num papel serem percebidas como símbolos religiosos, de um barulho indefinido soar-nos como alguém nos chamando e assim por diante. Sem dúvida, tais acontecimentos estão impregnados pelo medo, pela necessidade religiosa, pela saudade ou por qualquer outro tipo de emoção.

Por si só a ilusão não constitui um estado mórbido, mas pode denotar um estado emocional mais ou menos intenso; desde pequenas oscilações do normal até situações patológicas. Os enganos da ilusão podem afetar os cincos sentidos.

ilusões cenestésicas - Distorções de sensações corporais, experimentadas como queimor, sussurros, sensações semelhantes a borboletas em movimento, bola subindo à garganta, choques elétricos irradiando por todo o corpo (sinal de Lhermitte), etc. As ilusões somatossensoriais são freqüentes numa variedade de transtornos neurológicos e psiquiátricos, incluindo epilepsia do lobo temporal, esclerose múltipla, tumores cerebrais, demência, deficiência de vitamina B12, estados tóxicos e transtornos de ansiedade. A interpretação de tais fenômenos é difícil e o seu valor diagnóstico é incerto em casos específicos. Sinonímia: ilusões corporais.

imagem cerebral - Conjunto de técnicas não invasivas que conta com processamento computadorizado e acentuação de sinais conduzidos por raios X, partículas carregadas ou ondas ultra-sônicas ou eletromagnéticas para a visualização da estrutura, fluxo sanguíneo ou metabolismo cerebral. Estão incluídas a tomografia computadorizada, a tomografia por emissão de pósitrons, a tomografia por emissão de fótons únicos e a imagem de ressonância magnética (anteriormente conhecida como tomografia por ressonância magnética nuclear).

imagem corpórea - A imagem corpórea é a imagem que elaboramos mentalmente de nosso corpo. A imagem corpórea é, durante o período evolutivo adolescência, um dos dados referenciais para a compreensão dos problemas do adolescente, vez que seu corpo assume novo significado. Todas as características do ajustamento pessoal e social são influenciados, dentre outros aspectos, pela configuração e pelo funcionamento do corpo, seja pela impressão que causa aos outros, seja pelo modo que o corpo é percebido pelo adolescente.

O modo como um garoto ou garota avalia seu corpo reflete os valores de quem os educa. Os meninos e meninas aceitos por suas famílias, habitualmente não subestimam nem superestimam seus corpos. Mas, quando as crianças e os adolescentes sentem que seus corpos não satisfazem as expectativas de quem os rodeia (por exemplo: ser muito baixinho ou alto demais, ter seios pequenos, deficiências físicas, etc), freqüentemente chegam a se automenosprezarem.

Ao contrário, famílias que imprimem alto valor ao corpo, à musculatura, à beleza física, normalmente, geram adolescentes intolerantes com qualquer desvio na configuração corpórea própria e dos outros.

imaturidade neuroevolutiva - Várias formas de disfunção associadas ao atraso na maturação cerebral, como, p.ex., transtornos específicos do desenvolvimento da fala e da linguagem.

impotência psicogênica - Ver insuficiência da resposta genital.

impotência sexual - Ver insuficiência da resposta genital.

impulsividade -  Diz-se impulsividade da pessoa incapaz de controlar seus impulsos, tendendo a agir desarrazoadamente por insuficiência das funções de controle dos impulsos. No DSM.IV e no CID.10 é classificado como transtorno. A classificação compreende Transtornos do Controle dos Impulsos.

A característica essencial dos Transtornos de Controle dos Impulsos é o fracasso em resistir a um impulso ou tentação de executar um ato perigoso para a própria pessoa ou para outros. Na maioria dos transtornos descritos nesta classificação, o indivíduo sente uma crescente tensão ou excitação antes de cometer o ato. Após cometê-lo, pode ou não haver arrependimento, auto-recriminação ou culpa. Os seguintes transtornos são incluídos nesta seção:

O Transtorno Explosivo Intermitente é caracterizado por episódios distintos de fracasso em resistir a impulsos agressivos, resultando em sérias agressões ou destruição de propriedades. A Cleptomania caracteriza-se por um fracasso recorrente em resistir a impulsos de roubar objetos desnecessários para o uso pessoal ou em termos de valor monetário. A Piromania é caracterizada por um padrão de comportamento incendiário por prazer, gratificação ou alívio de tensão.

O Jogo Patológico caracteriza-se por um comportamento mal-adaptativo, recorrente e persistente, relacionado a jogos de azar e apostas.
A Tricotilomania caracteriza-se pelo ato de puxar de forma recorrente os próprios cabelos por prazer, gratificação ou alívio de tensão, acarretando uma perda capilar perceptível.

O Transtorno do Controle dos Impulsos Sem Outra Especificação é incluído para a codificação de transtornos que não satisfazem os critérios para qualquer um dos Transtornos específicos do Controle dos Impulsos, descritos antes ou em outras seções do manual.

impulsos patológicos - Os Impulsos Patológicos são ações isoladas, súbitas, involuntárias e, normalmente, desprovidas de finalidade objetiva. São ações psicomotoras automáticas ou semi-automáticas, de natureza explosiva, instantânea e fulminante, caracterizadas sobretudo, pela subtaneidade e incontrolabilidade com que se desencadeiam e se processam. Todo impulso é fundamentalmente psicomotor e suas motivações psicológicas nem sempre são evidenciadas conscientemente ou pressentidas.

Algumas vezes, os atos impulsivos representam verdadeiras explosões emocionais, acompanhadas de acessos de riso ou de lágrimas. Outras vezes, porém, os atos impulsivos se caracterizam pela impetuosidade, rapidez e falta de consideração para com o próprio indivíduo ou para com os demais.

Tendo em vista a automaticidade dos atos impulsivos, o que se observa neles é a perda do controle voluntário das ações.

inadaptação escolar - Dificuldade de funcionar em um nível adequado na escola, que não é atribuível a um transtorno mental.

inalantes - Ver substâncias voláteis.

incapacidade - Qualquer redução ou falta (resultante de uma deficiência) de capacidade para exercer uma atividade de forma e dentro dos limites considerados normais para o ser humano. No contexto psiquiátrico, a incapacidade (Ing.: disability) designa um certo grau de disfunção ou inadequação no desempenho de quaisquer papéis sociais ou funções específicos normalmente esperados de acordo com a posição social, sexo e idade de um indivíduo. Para tais disfunções ou inadequações serem consideradas como incapacidades, é necessário haver uma conexão demonstrável com uma alteração subjacente devido a um transtorno mental. A presença de incapacidade, bem como seu nível de gravidade, podem estar relacionados a fatores culturais. Por exemplo, uma pessoa em uma sociedade tradicional, pouco desenvolvida tecnologicamente, pode estar apenas parcialmente incapacitada, mesmo na presença de alterações psicopatológicas moderadamente graves. Um indivíduo com o mesmo nível de deficiência pode estar completamente incapacitado em uma sociedade urbana ou industrializada, na qual as expectativas são de que os trabalhadores exerçam atividades em tempo integral, em um ambiente de alta tecnologia, sem a tolerância e os benefícios que os membros de famílias extensas dedicam a pessoas parcialmente produtivas que requeiram supervisão ou apoio especiais. Ver status conquistado; status atribuído.

incapacidade de abster-se - Uma forma de controle prejudicado do uso de uma substância psicoativa, de tal forma que há uma incapacidade ou falta de desejo de refrear o seu uso. Segundo a formulação de Jellinek, em 1960, esta é uma das duas formas de perda de controle, sendo a outra a incapacidade de parar uma vez iniciado o uso. Ver alcoolismo; tipologia de jellinek.

incapacidade relacionada com álcool ou droga - Qualquer problema, doença ou outra conseqüência de uso nocivo, intoxicação aguda ou dependência que inibe a capacidade individual de agir normalmente no contexto de atividades sociais ou econômicas. Exemplos incluem o declínio do funcionamento social ou da atividade física que acompanha a cirrose alcoólica, infecção pelo VIH relacionada à droga ou lesão traumática relacionada ao álcool. Ver problema relacionado com o álcool; problema relacionado com drogas.

incesto - Intercurso sexual entre parentes, para os quais tal comportamento é proibido por lei ou por tradição cultural. Um exemplo universal é dado pelo parentesco dentro da mesma família nuclear, mas em algumas culturas outros graus de parentesco (p.ex., mesmo clã) também são incluídos. Os critérios que definem uma relação como incestuosa dependem totalmente da natureza do sistema de parentesco e da estrutura social.

incoerência - Forma grave de transtorno do pensamento e da linguagem, cujas características principais consistem em distorções gramaticais, mudanças inexplicáveis de um tópico para outro e ausência de uma conexão lógica entres as partes do discurso.

incoerência (do pensamento) - A Incoerência é uma alteração do curso do pensamento onde há uma grande desorganização na estrutura sintática com períodos em branco e frases soltas no meio da exposição de uma idéia. Freqüentemente a Incoerência está associada a transtornos que comprometem o estado da consciência. É como se faltasse ao paciente condições homeostáticas para a organização das idéias e para sua capacidade de comunicação verbal. O Estado Crepuscular é um bom exemplo de Distúrbio da Consciência, onde a capacidade de organização do pensamento encontra-se seriamente comprometido. Também na Turvação da Consciência pode haver Incoerência.

O pensamento incoerente é confuso, contraditório e ilógico. Enquanto na Fuga de Idéias percebemos a passagem repentina de uma idéia para outra, na Incoerência o que interrompe o curso do pensamento são fragmentos soltos de idéias aleatórias; como se o pensamento estivesse pulverizado.

incorporação - Mecanismo de defesa mental primitivo, operando inconscientemente, pelo qual uma outra pessoa ou partes dela são simbolicamente ingeridas e assimiladas, por exemplo, a fantasia infantil de que o seio da mãe foi ingerido e agora é parte da própria.

inconsciente - Segundo Freud, o consciente é somente uma pequena parte da mente, incluindo tudo do que estamos cientes num dado momento. O interesse de Freud era muito maior com relação às áreas da consciência menos expostas e exploradas, que ele denominava Pré-Consciente e Inconsciente.

A premissa inicial de Freud era de que há conexões entre todos os eventos mentais e quando um pensamento ou sentimento parece não estar relacionado aos pensamentos e sentimentos que o precedem, as conexões estariam no inconsciente. Uma vez que estes elos inconscientes são descobertos, a aparente descontinuidade está resolvida. "Denominamos um processo psíquico inconsciente, cuja existência somos obrigados a supor - devido a um motivo tal que inferimos a partir de seus efeitos - mas do qual nada sabemos".

No inconsciente estão elementos instintivos não acessíveis à consciência. Além disso, há também material que foi excluído da consciência, censurado e reprimido. Este material não é esquecido nem perdido mas, não obstante, não é permitido ser lembrado. O pensamento ou a memória ainda afetam a consciência, mas apenas indiretamente.

O inconsciente, por sua vez, não é apático e inerte, havendo uma vivacidade e imediatismo em seu material. Memórias muito antigas quando liberadas à consciência, podem mostrar que não perderam nada de sua força emocional. "Aprendemos pela experiência que os processos mentais inconscientes são em si mesmos intemporais. Isto significa em primeiro lugar que não são ordenados temporalmente, que o tempo de modo algum os altera, e que a idéia de tempo não lhes pode ser aplicada"

incontinência emocional - A Incontinência Emocional é uma forma de alteração da afetividade que se manifesta pela facilidade com que se produzem as reações afetivas, acompanhadas de certo grau de incapacidade para inibi-las. Diz Bleuler que a maioria dos pacientes com incontinência emocional domina-se pior que os demais. Tem de ceder diante dos acontecimentos mais insignificantes, tanto no que se refere a sua expressão como à ação que deles se deriva. Bleuler cita o exemplo de um paciente que não podia jogar cartas porque denunciava seu jogo com a fisionomia.

A Incontinência Emocional é um dos sintomas freqüentes nas perturbações psíquicas provocadas por lesões orgânicas do cérebro, manifestando-se também em várias psicoses e neuroses. Na arteriosclerose cerebral a Incontinência Emocional constitui um dos sintomas mais característicos. Nesses casos, os próprios pacientes se queixam de extrema facilidade para emocionar-se, com tendência ao choro fácil, o que não ocorria antes de adoecer. Segundo Nágera, a Instabilidade Afetiva nem sempre se apresenta junto com a Incontinência Emocional, pois existem pessoas que não podem conter as emoções, embora revelem tenacidade afetiva.

índice da massa corporal de quetelet - Peso dividido pela altura elevada ao quadrado multiplicado por 100; um índice antropométrico proposto em 1835 e ainda amplamente usado para quantificar a relação entre peso e altura na avaliação diagnóstica de transtornos alimentares.

individuação - Segundo Jung, todo indivíduo possui uma tendência para a Individuação ou auto-desenvolvimento. Individuação significa tornar-se um ser único, homogêneo. na medida em que por individualidade entendemos nossa singularidade mais íntima, última e incomparável, significando também que nos tornamos o nosso próprio si mesmo. Pode-se traduzir Individuação como tornar-se si mesmo, ou realização do si mesmo.

Individuação é um processo de desenvolvimento da totalidade e, portanto, de movimento em direção a uma maior liberdade. Isto inclui o desenvolvimento do eixo Ego-Self, além da integração de várias partes da psique: Ego, Persona, Sombra, Anima ou Animus e outros Arquétipos inconscientes. Quando tornam-se individuados, esses Arquétipos expressam-se de maneiras mais sutis e complexas.

Quanto mais conscientes nos tornamos de nós mesmos através do auto conhecimento, tanto mais se reduzirá a camada do inconsciente pessoal que recobre o inconsciente coletivo. Desta forma, sai emergindo uma consciência livre do mundo mesquinho, suscetível e pessoal do Eu, aberta para a livre participação de um mundo mais amplo de interesses objetivos. Essa consciência ampliada não é mais aquele novelo egoísta de desejos, temores, esperanças e ambições de caráter pessoal, que sempre deve ser compensado ou corrigido por contra-tendências inconscientes; tornar-se-á uma função de relação com o mundo de objetos, colocando o indivíduo numa comunhão incondicional, obrigatória e indissolúvel com o mundo.

infecção oportunista - Infecções que afetam os indivíduos infectados pelo VIH ou com deficiência imunológica por outras causas. Algumas das mais importantes infecções oportunistas são: toxoplasmose cerebral, meningite criptocóccica, neuropatia por CMV, tuberculose do SNC, encefalite por herpes zoster, encefalite por CMV e radiculite por varicela zoster. Os vírus do herpes simples, da varicela e o CMV podem também causar meningoencefalite em indivíduos infectados pelo VIH. CMV é uma das principais causas de retinite, que pode levar à cegueira. O herpes zoster é causado pela reativação de infecção latente pelo vírus da varicela zoster. Ver transtornos neuropsiquiátricos associados ao vih.

inibição - Interferência inconsciente com as pulsões instintivas ou restrição a elas.

inibidor da recaptação de serotonina - Droga que inibe a recaptação neuronal de serotonina e, conseqüentemente, prolonga a sua ação. Embora primariamente indicados no tratamento de transtornos depressivos, há relatos que drogas desta classe são capazes de reduzir o consumo de álcool. Certos antidepressivos inibem tanto a recaptação da serotonina como da noradrenalina (ou norepinefrina).

início apoplético - Começo dramático e abrupto de um ataque de doença cerebral, assemelhando-se a um ataque na velocidade e desenrolar de suas manifestações. O oposto de início insidioso.

inserção de pensamento - Fenômeno pelo qual o indivíduo tem a vivência que pensamentos reconhecidos como alheios se intrometem nos seus processos mentais. A convicção da origem externa da interferência não é o resultado de uma racionalização secundária, mas surge com forte sensação de autenticidade simultânea à experiência de inserção de pensamentos.

insight - Auto conhecimento; um importante objetivo da psicoterapia; a extensão da compreensão do indivíduo quanto à origem, natureza e mecanismos de suas atitudes e comportamentos.

insônia - Uma queixa subjetiva de dificuldade em conciliar ou manter o sono ou de um sono de má qualidade. Os tipos de insônia Incluem:

insônia inicial - Dificuldade em conciliar o sono.

insônia intermediária - Despertar no meio da noite, seguido de um retorno ao sono, porém com dificuldade.

insônia não orgânica (F51.0) - Qualidade e/ou quantidade insatisfatórias do sono que persistem por um período considerável de tempo. Inclui dificuldade em conciliar o sono, dificuldade em manter o sono e despertar precoce.

insônia terminal - Despertar antes do horário habitual e incapacidade de retornar ao sono.

instável - Indivíduo que apresenta rápida variação de emoções.

instinto - Pulsões inata. Os instintos humanos básicos incluem auto - preservação, sexualidade e de acordo com alguns estudiosos - agressão, instintos do ego e instintos de formação de grupos ou sociais.

instintos básicos - Num primeiro momento Freud descreveu duas forças instintivas opostas, a sexual (erótica ou fisicamente gratificante) e a agressiva ou destrutiva. Suas últimas descrições, mais globais, encararam essas forças ou como mantenedoras da vida ou como incitadoras da morte. Essas formulações supõem dois conflitos instintivos básicos, biológicos, contínuos e não-resolvidos. Tal antagonismo básico não costuma ser visível ou consciente, e a maioria de nossos pensamentos e ações é evocada por estas ambas forças instintivas em combinação.

Freud impressionou-se com a diversidade e complexidade do comportamento que emerge da fusão das pulsões básicas. Por exemplo, ele escreve: "Os instintos sexuais fazem-se notar por sua plasticidade, sua capacidade de alterar suas finalidades, sua capacidade de se substituírem, permitindo uma satisfação instintiva ser substituída por outra, e por sua possibilidade de se submeterem a adiamentos..." Os instintos seriam então, canais através dos quais a energia pudesse fluir.

instrumento diagnóstico - No uso médico geral, qualquer aparelho ou instrumento e, por extensão, qualquer procedimento clínico ou entrevista estruturada para a determinação de uma condição médica ou a natureza da doença de um indivíduo. Ver instrumento de triagem.

insuficiência da resposta genital (F52.2) - No homem, o problema principal é a impotência psicogênica ou disfunção erétil, ou seja, a dificuldade em apresentar ou manter ereção suficiente para uma relação satisfatória (transtorno da ereção). O principal problema na mulher é a secura vaginal ou ausência de lubrificação (transtorno da mobilização sexual feminina). Ver disfunção sexual.

integração - Em ciências sociais, uma forma de aculturação na qual um indivíduo é capaz de manter a própria identidade cultural concomitante à manutenção de relações positivas e produtivas com uma cultura adjacente ou dominante. Em psiquiatria psicodinâmica, o termo se refere à internalização de uma nova imagem, papel ou persona articulados com outros elementos da própria personalidade ou história de vida. Ver aculturação; identidade.

inteligência - Capacidade para aprender e utilizar apropriadamente o que se aprendeu. Pode ser afetada pelas emoções.

inteligência, quociente de (QI) - Avaliação numérica determinada através da testagem psicológica que indica o relacionamento aproximado da idade mental de uma pessoa (IM) com a idade cronológica (IC). Expresso matematicamente como QI = IM/IC X 100.

Interpessoal, psiquiatria - Teoria da psiquiatria, desenvolvida por Sullivan, que salienta a natureza e a qualidade dos relacionamentos com outras pessoas significativas como o fator mais crítico no desenvolvimento da personalidade.

interpretação - Em lingüística, este termo significa a tradução de significados com conotação emocional ou denotação factual de um idioma para outro, de tal forma que sentimentos e avaliações não perdem seu significado original. Em geral, o termo se aplica mais à tradução de diálogos vivos do que de textos. Este significado lingüístico da interpretação é diferente do significado do mesmo termo em psicoterapia. Neste caso, o termo refere-se à explicação de uma hipótese psicodinâmica que o terapeuta comunica ao paciente e que pode explicar a origem de um comportamento, .pensamento ou emoção do paciente.

intersexo - Indivíduo que exibe características sexuais de ambos os sexos. O verdadeiro intersexo é o hermafrodita, uma pessoa com gônadas masculina e feminina.

intervenção breve - Estratégia de tratamento na qual se oferece uma terapia estruturada de curta duração (normalmente 5-30 minutos) com o objetivo de auxiliar um indivíduo a parar ou reduzir o uso de substâncias psicoativas ou (menos comumente) a lidar com outras questões de vida. É particularmente adaptada para clínicos gerais e outros profissionais da área de saúde. Até hoje a intervenção breve — algumas vezes conhecida como intervenção mínima — tem sido aplicada principalmente para se parar de fumar e como terapia do uso prejudicial do álcool. A base lógica para a intervenção breve é que, mesmo se o percentual dos indivíduos que alteram o uso de substâncias após uma única intervenção é pequeno, o impacto causado na saúde pública pelo grande número de profissionais da área a proporcionarem tais intervenções sistematicamente é considerável. A intervenção breve está geralmente associada a testes sistemáticos para identificar o uso de substâncias perigosas ou prejudiciais, principalmente álcool e tabaco. Ver intervenção precoce.

intervenção precoce - Estratégia terapêutica que combina a detecção precoce do uso de substâncias perigosas ou prejudiciais e o tratamento dos envolvidos. O tratamento é oferecido antes que o paciente se apresente por vontade própria e, em muitos casos, antes que ele esteja consciente que o uso dessas substâncias possa causar problemas. É particularmente dirigida a indivíduos que não desenvolveram dependência física ou grandes complicações psicossociais. A intervenção precoce é, portanto, um tratamento pró-ativo, que é iniciado mais pelo pessoal da área de saúde do que pelo próprio paciente. O primeiro estágio consiste de um procedimento sistemático de detecção precoce. Há vários enfoques: um inquérito de rotina sobre a história clínica do uso de álcool, tabaco e outras drogas e o uso de testes de triagem, p.ex., em locais de cuidados primários de saúde. Posteriormente outras perguntas são feitas para confirmar o diagnóstico. O segundo componente é breve e ocorre no contexto de cuidados primários de saúde (durando em média de 5 a 30 min.). O tratamento pode ser mais prolongado em outros contextos. Ver intervenção breve.

intestinal inflamatória, doença- Doença Inflamatória Intestinal ou Doença Inflamatória Intestinal Crônica é um termo geral para um grupo de doenças inflamatórias crônicas de causa desconhecida envolvendo o trato gastrintestinal. Fazem parte do capítulo das Doenças Psicossomáticas. As Doenças Inflamatórias Intestinais podem ser divididas em dois grupos principais, a Colite Ulcerativa e a Doença de Crohn.

A Doença de Crohn é uma inflamação crônica do trato gastrintestinal, de origem desconhecida que envolve o intestino fino (íleo) em 30% dos pacientes, a região ileocecal em 40% dos casos ou uma região maior, a ileo-cólon direita.

A Colite Ulcerativa é igualmente uma doença inflamatória crônica do intestino, porém, restringindo-se ao cólon. Quando a doença está ativa (em crise), a mucosa intestinal torna-se maciçamente infiltrada por células inflamatórias e é afetada por micro-úlceras.

Essas doenças são mais comuns em brancos que em negros e orientais, com uma incidência maior (três a seis vezes) em judeus em comparação a não judeus. Os dois sexos são igualmente afetados. Muitos acham que a incidência da Doença de Crohn vêm aumentando cinco vezes mais rapidamente que as de Colite Ulcerativa.

Embora o pico de maior ocorrência das duas doenças esteja entre os 15 e os 35 anos de idade, elas têm sido relatadas em todas as décadas de vida. Não se sabe com certeza a causa para essas doenças mas, de qualquer forma, parece haver uma provável base hereditária e um componente ambiental. Fatores familiares ou genéticos, infecciosos, imunológicos e psicológicos podem estar ligados ao surgimento dos sintomas.

intoxicação - Situação que segue a administração de uma substância psicoativa e que tem como conseqüência perturbações do nível da vigília, da cognição, da percepção, do juízo, do afeto, do comportamento ou de outras funções e reações psicofisiológicas. As perturbações estão relacionadas com a substância através dos seus efeitos farmacológicos agudos e das reações aprendidas e desaparecem completamente com o tempo, exceto quando tenham surgido lesões teciduais ou outras complicações. O termo é mais freqüentemente utilizado em relação ao uso de álcool e refere-se a um padrão regular ou recorrente de beber até a intoxicação. Em certos lugares, este padrão já foi (ou ainda é) encarado como uma ofensa criminal, independentemente das circunstâncias individuais da intoxicação.

A intoxicação alcoólica aguda manifesta-se por sinais, tais como rubor facial, voz pastosa, marcha vacilante, euforia, hiperatividade, volubilidade, conduta desordeira, reações lentas, diminuição da crítica e incoordenação motora, insensibilidade ou estupor.

A intoxicação aguda depende muito do tipo e da dose da droga e é influenciada pelo nível individual de tolerância e outros fatores. Muitas vezes uma droga é consumida exatamente para se conseguir um grau desejado de intoxicação. A expressão comportamental de um determinado grau de intoxicação é fortemente influenciada pelas expectativas culturais e pessoais acerca dos efeitos da droga.

Intoxicação aguda é o termo da CID-10 para intoxicação de significado clínico (F1x.0). As complicações dependem da substância e do método de administração e podem incluir traumatismo, aspiração do vômito, confusão mental, coma e convulsões.

Outros termos gerais para intoxicação ou intoxicado incluem: embriaguez, embriagado, excitado, sob a influência, inebriado. Ver bebedor de rua; embriaguez.

intoxicação aguda (F1x.o) - Estado transitório que segue a ingestão de drogas ou álcool e que resulta na mudança de padrões das funções e das respostas fisiológicas e psicológicas. Ver intoxicação; transtorno por uso de substância psicoativa.

intoxicação idiopática - Ver embriaguez patológica.

intoxicação patológica - Ver embriaguez patológica.

intrapsíquico - Situado, originado ou ocorrendo na psique.

introjeção - Mecanismo de defesa mental, operando inconscientemente, onde os objetos externos amados ou odiados são introjetados simbolicamente; oposto à projeção; pode servir como uma defesa contra o reconhecimento inconsciente de impulsos hostis intoleráveis; por exemplo, na depressão profunda o indivíduo pode inconscientemente dirigir ódio ou agressão inaceitáveis para si mesmo, isto é, para o objeto introjetado dentro de si mesmo; relacionado aos mecanismos mais primitivos de incorporação.

invenção de sintomas - Ver produção intencional de sintomas.

inveja do pênis - Literalmente, inveja pelas mulheres do pênis do homem; em termos mais gerais, o desejo que a mulher sente de possuir os atributos, posição ou vantagens masculinos; muitos acreditam que é um fator importante no desenvolvimento do caráter feminino.

inversão do ritmo circadiano - Ver transtorno não orgânico do ciclo vigília-sono.

inversão do ritmo do sono - Ver transtorno não orgânico do ciclo vigília-sono.

inversão do ritmo nictemeral (F51.2) - Ver transtorno não orgânico do ciclo vigília-sono.

inversão psicogênica do ritmo do sono - Ver transtorno não orgânico do ciclo vigília-sono.

irradiação do pensamento - Ver difusão do pensamento.

irritabilidade - Estado indevido de reação exagerada que envolve aborrecimento, impaciência ou ira. Pode manifestar-se em estados de fadiga ou dor crônica, ou ser um traço clínico de anomalias temperamentais associados à idade avançada, trauma cerebral, estados epilépticos e transtornos maníaco-depressivos.

IV - Intravenosa. Empregado em relação à via de administração de medicamentos ou de utilização de drogas.