Escolha em Ordem Alfabética os tema a serem procurados.


[ A ] - [ B ] - [ C ] - [ D ] - [ E ] - [ F ] - [ G ] - [ H ] - [ I

[ J ] - [ K ] - [ L ] - [ M ] - [ N ] - [ O ] - [ P ] - [ Q ] - [ R ]

 [ S ] - [ T ] - [ U ] - [ V ] -  [ W ] - [ X ] - [ Y ] - [ Z ]


   

   
   -  E  -

ebriedade - Estado de estar intoxicado por substância psicoativa. O termo usualmente implica um padrão habitual de embriaguez, mas já foi usado onde alcoolismo ou dependência de álcool seriam usados agora, implicando uma condição de doença. Junto com "ébrio" (uma pessoa apresentando ebriedade), "ebriedade" foi terminologia padrão, no final do século 19, para intoxicação habitual e permaneceu em uso até os anos 40. O conceito permanece corrente no contexto legal, como nos termos “ ébrio crônico4 “ ou “ ébrio público", equivalente ao transgressor (crônico) por embriaguez, uma pessoa (recorrentemente) sentenciada do crime de estar embriagada em lugares públicos.

ébrio -
Ver ebriedade.

eco do pensamento -
Experiência de que os próprios pensamentos são repetidos dentro da cabeça da pessoa. O intervalo que decorre entre o pensamento original e o seu eco é usualmente de uns poucos segundos. O pensamento repetido, embora idêntico no seu conteúdo, pode ser sentido como ligeiramente alterado em termos de qualidade.

ecolalia -
A repetição patológica tipo papagaio e aparentemente sem sentido ("fazer eco") de uma palavra ou frase recém-falada por outra pessoa.

ecopraxia - Repetição por imitação dos movimentos de outra pessoa. A ação não é voluntária e tem uma qualidade semi-automática e incontrolável.

ecopraxia gestual - Também chamada de ecocinese, ecomimia, imitação patológica de movimentos ou gestos de outros. Usualmente é de natureza semi-automática, não estando sujeita a um controle voluntário total.

ego - Na teoria psicanalítica, uma das três principais divisões no modelo do aparato psíquico. O ego representa a soma de certos mecanismos mentais, tais como percepção e memória, e mecanismos de defesa específicos. Serve para mediar entre as demandas das pulsões instintivas (o id), das proibições parentais e sociais internalizadas (o superego) e da realidade. Os acordos feitos entre essas forças pelo ego tendem a resolver o conflito intrapsíquico e servir a uma função adaptativa e executiva. O uso psiquiátrico do termo não deve ser confundido com o uso comum que tem a conotação de amor-próprio ou egoísmo.

ego, ideal do - A parte da personalidade que compreende os objetivos e metas do self, geralmente refere-se à imitação consciente ou inconsciente de pessoas significativas com as quais a pessoa identificou-se.

egodistônico36 - Refere-se a qualquer coisa que o indivíduo não aceita como parte de si ou a impulsos, desejos, pensamentos, sentimentos e emoções próprios que são tidos como repugnantes ou rejeitados por ele.

ejaculação precoce - Ver ejaculação prematura.

ejaculação prematura - Incapacidade de controlar o momento da ejaculação o suficiente para que ambos os parceiros possam ter prazer na relação sexual. Ver disfunção sexual.

elaboração de sintomas físicos por razões psicológicas (F68.0) - Exagero ou prolongamento de sintomas físicos compatíveis com um transtorno, doença ou incapacidade física confirmado e originariamente devido a esse mesmo transtorno, doença ou incapacidade. Em geral, o indivíduo sofre com a dor ou com a incapacidade e está com freqüência preocupado, e com razão, com a possibilidade do prolongamento dessa dor ou incapacidade.

elaboração delirante das alucinações - Idéias ou sistemas delirantes que se originam como resultado secundário da elaboração de alucinações de qualquer qualidade; representa uma extensão da experiência alucinatória primária ou gera uma quase explicação para sua origem e significado. Ver percepção delirante.

elação - Afeto consistindo de sentimentos de euforia, triunfo, intensa satisfação consigo mesmo, otimismo; um humor instável, mas excitado, é característico da mania.

emaranhados neurofibrilares - Lesões histopatológicas comumente encontradas no cérebro afetado pela doença de Alzheimer. Microscopicamente os emaranhados aparecem no citoplasma dos neurônios como alças formadas por feixes de filamentos emparelhados, cada um com 10-13 mu de diâmetro; esses filamentos se entrelaçam a intervalos regulares. Eles são formados por fibras de proteína, mas a natureza das mudanças bioquímicas que gera tal transformação não está totalmente esclarecida. Emaranhados neurofibrilares não são exclusivos da doença de Alzheimer; ocorrem também em outras demências, na síndrome de Down, no parkinsonismo pós-encefalítico e, em pequenas quantidades, no cérebro das pessoas idosas. Sinonímia: mudanças neurofibrilares de alzheimer.

embriaguez - Estado de intoxicação com comprometimento da consciência e do controle da conduta. Ver intoxicação.

embriaguez patológica (F10.07) - Síndrome caracterizada por excitação extrema, comportamento agressivo e violento e, freqüentemente, idéias de perseguição, após consumo de quantidade relativamente pequena de álcool. Dura várias horas e termina com o doente adormecendo. Normalmente há amnésia completa do episódio. Descrita em indivíduos com uma tolerância anormalmente baixa ao álcool, este diagnóstico é usado principalmente no contexto forense, porém vários autores contestam sua existência. Ver intoxicação. Sinonímia: intoxicação idiopática; intoxicação patológica.

êmico - Em ciências do comportamento e em psiquiatria e psicologia transculturais, a interpretação que um indivíduo dá a seus próprios pensamentos, sentimentos e comportamentos; a definição e atribuição, por parte de uma dada cultura, de significados relativos aos seus próprios costumes e interpretações. O termo foi formado por analogia com fonêmico38, ou seja, a fenomenologia dos sons. Ver ético.

emoção - Estado de excitação determinado por um conjunto de sentimentos subjetivos (por ex., medo, raiva, tristeza, alegria, amor), freqüentemente acompanhado por alterações fisiológicas que impelem a pessoa para a ação.

emoção expressa - Medida da expressão, por um parente (ou colegas de trabalho, vizinhos, etc.), de atitudes de envolvimento com um paciente ou da crítica e hostilidade em direção ao mesmo, no contexto de uma entrevista padronizada semi-estruturada (a Entrevista Familiar de Camberwell).

empatia - Consciência objetiva e plena de insight dos sentimentos, emoções e comportamento de outra pessoa e de seus significados e importância; deve ser diferenciado de simpatia que não é objetiva e geralmente não - crítica.

encefalina - Ver opióide endógeno.

encefalite límbica - Combinação de alterações inflamatórias (infiltração perivascular) e degenerativas (perdas neuronais, proliferação de astrócitos, gliose) limitada à estrutura do sistema límbico que se desenvolve em associação com carcinoma de localização extracelular. Não há propriamente células tumorais dentro do sistema nervoso central. O quadro clínico é dado por uma marcada perturbação da memória de fatos recentes, ansiedade, depressão alucinações e raramente epilepsia. Sinonímia: encefalopatia límbica.

encefalite por rubéola - Complicação rara de rubéola adquirida no período pós-natal, ocorrendo no período de 3 a 14 dias do início da doença. Os sintomas típicos incluem dor de cabeça, fotofobia, irritabilidade, vertigem e sonolência; porém, meningismo, envolvimento do tronco cerebral e nervos cranianos, movimentos mioclônicos e convulsões não são incomuns. Nas formas encefalomielíticas podem ocorrer paraparesia e retenção urinária. A incidência está estimada em 1 para 6.000 casos de infecção, mas a mortalidade pode chegar a 20% dos casos afetados. Diferente da rubéola congênita, a recuperação costuma ser total sem perda das funções intelectuais, embora certas anormalidades eletroencefalográficas possam persistir por variados períodos de tempo.

encefalomielite miálgica - Ver síndrome astênica pós-infecciosa.

encefalopatia - Termo impreciso que se refere a qualquer doença do cérebro e, em particular, a toda doença cerebral crônica degenerativa. Alguns autores usam o termo em um sentido mais restrito para designar doença cerebral crônica com mudanças patológicas irreversíveis; outros usam-no para descrever um delirium. Outros ainda usam-no para sinais precoces de disfunção do tecido cerebral que são muito sutis para confirmar um diagnóstico definitivo. Encefalopatia alcoólica (G31.2) indica que o dano ao tecido cerebral é causado por uso de álcool ou associado ao mesmo. Ver Encefalopatia de wernicke; síndrome cerebral alcoólica.

encefalopatia alcoólica - Encefalopatia precipitada pelo uso de álcool.

encefalopatia arteriosclerótica subcortical - Ver síndrome de binswanger.

encefalopatia da infância associada ao vih - Ver encefalopatia progressiva da infância.

encefalopatia de wernicke (E51.2) - Síndrome neurológica aguda (descrita como poliencefalite hemorrágica superior, em 1881), que representa risco de vida. É caracterizada por confusão, apatia, embotamento, delirium oniróide, paralisia dos músculos palpebrais e oculomotores (devido a lesões nos núcleos dos nervos cranianos III e VI), nistagmo e alterações do equilíbrio (devido a lesões no núcleo vestibular) e ataxia (devido a lesões no córtex cerebelar). A causa mais comum nos países industrializados é a deficiência de tiamina associada com alcoolismo. Se não tratado imediatamente com terapia de reposição de tiamina, o paciente provavelmente evoluirá para psicose de Korsakov (também conhecida como psicose ou síndrome de Wernicke-Korsakov e como transtorno amnésico alcoólico) caracterizado por amnésia anterógrada grave, amnésia retrógrada e algumas vezes confabulação. Esta condição pode ser fatal, se não for adequadamente tratada. Ver síndrome amnésica induzida por álcool ou drogas; deficiência de tiamina.

encefalopatia espongiforme - Doença degenerativa neuronal, localizada no cérebro, provavelmente de origem viral, na qual as mudanças inflamatórias, a infiltração linfocitária, e a resposta imunitária geral características da infecção viral estão ausentes; a anomalia tecidual consiste na perda de astrócitos e de neurônios30, a mudança espongiforme e a aparição de placas amilóides. O quadro clínico é o de uma demência rapidamente progressiva. Os limites deste grupo de condições, freqüentemente relacionadas a uma demência viral transmissível, são mal definidos, mas o kuru e certas formas da doença de Creutzfeldt-Jakob são habitualmente incluídos. Doenças semelhantes em animais são as encefalopatias transmissíveis e o scrapie da doninha. Supõe-se que a etiologia esteja ligada aos chamados vírus não convencionais ou viróides (moléculas de ADN ou ARN muito pequenas, sem invólucro de proteína) ou aos ainda menos conhecidos príons (partículas semelhantes a proteínas).

encefalopatia límbica - Ver encefalite límbica.

encefalopatia por chumbo - Manifestação cerebral grave do envenenamento por chumbo que apresenta, na sua forma aguda, delírio, convulsões, meningismo, hipertensão e sinais de aumento da tensão intracraniana; especialmente em crianças, pode levar a um estado de coma e morte devido à compressão da medula. O quadro clínico da forma crônica é dominado por fraqueza, dores de cabeça persistentes, depressão, concentração e memória afetadas, afasia transitória, transtornos na visão e na audição e alucinações visuais e auditivas isoladas. Danos residuais incluem déficit cognitivo, epilepsia, cegueira e, em crianças, deficiência mental e paralisia cerebral. Além de tais seqüelas de intoxicação aguda ou crônica4, suspeita-se de efeitos neurocomportamentais infraclínicos devido à exposição a baixos níveis de chumbo no período pré-natal ou na infância, manifestados por pontuações baixas do QI, sinais neurológicos sutis, transtorno de capacidades escolares específicas e transtornos do comportamento.

encefalopatia progressiva da infância - Transtorno do desenvolvimento neurológico associado ao VIH, caracterizado por desenvolvimento retardado, hipertonia, microcefalia, e calcificação dos gânglios da base do cérebro. Diferentemente dos adultos infectados pelo VIH, o envolvimento neurológico das crianças geralmente ocorre na ausência de infecções oportunistas e de neoplasias. Ver transtornos neuropsiquiátricos associados ao vih.

encoprese não orgânica (F98.1) - Evacuação repetida, involuntária ou voluntária de fezes, em geral de consistência normal ou quase normal, em locais não apropriados para esse propósito no contexto sociocultural do indivíduo. A condição pode representar uma continuação anormal da incontinência infantil normal, pode envolver uma perda de continência seguindo-se à aquisição do controle esfincteriano ou pode envolver a deposição deliberada de fezes em locais não apropriados, a despeito do controle esfincteriano fisiológico normal. A condição pode ocorrer como um transtorno monossintomático ou pode fazer parte de um transtorno mais amplo, especialmente um transtorno emocional ou um transtorno de conduta.

enculturação - Processo de aquisição de conhecimento cultural, valores, habilidades sociais, linguagem e outros atributos da cultura durante a infância, a adolescência e no início da vida adulta. Ver socialização.

endógeno - Termo introduzido em psiquiatria por Mobius em 1893 com a finalidade de classificação clínica etiológica para designar os transtornos psíquicos causados primariamente por fatores hereditários e constitucionais, originados no soma ou no sistema nervoso central.

endometriose - Presença de tecido uterino funcional em outras partes do corpo fora do útero (tais como ovários, umbigo, cicatrizes de laparatomia). O tecido ectópico responde aos estímulos hormonais com sangramento do ciclo menstrual, provocando dismenorréia e dor pélvica.

endorfina - Ver opióide endógeno.

enfarto cerebral - Processo de destruição de uma porção de tecido cerebral conseqüentemente a uma obstrução arterial, com ou sem hemorragia. A patogônese pode ser trombótica ou embólica, e a natureza dos sintomas varia de acordo com os vasos cerebrais comprometidos pela lesão.

enfermidade alcoólica - Ver doença alcoólica.

enurese – incontinência urinária.

enurese não orgânica (F98.0) - Eliminação involuntária de urina de dia e/ou de noite, anormal em relação à idade mental do indivíduo e que não é conseqüência de uma falha de controle vesical decorrente de qualquer transtorno neurológico, de ataques epilépticos ou de qualquer anormalidade estrutural do trato urinário. A enurese pode estar presente desde o nascimento ou pode ter surgido após ter sido adquirido o controle vesical. Ela pode estar associada a um transtorno emocional ou de comportamento mais difuso.

envenenamento por álcool ou droga (T40, T51, X61, X62, X65, X66) - Estado de grande perturbação do comportamento, das funções vitais e do nível de consciência, que se segue à administração de uma dosagem excessiva (deliberada ou acidental) de uma substância psicoativa. (Ver superdose; intoxicação). No campo da toxicologia, o termo envenenamento é utilizado de forma mais ampla para denotar um estado resultante da administração de quantidades excessivas de qualquer agente farmacológico, psicoativo ou não.

envolvimento em tarefas - Manutenção da atenção em uma atividade e execução da mesma até um certo grau de finalização.

enxaqueca - Ataque recorrente e paroxístico de dores de cabeça variáveis em intensidade, freqüência e duração. Os ataques são comumente unilaterais e geralmente acompanhados de anorexia, náusea e vômito. Em alguns casos, são precedidos por, ou associados com, transtornos neurológicos especialmente do campo da visão. Em certos casos, a enxaqueca pode apresentar-se com sintomas psiquiátricos. O estado é atribuído a transtornos vasomotores da circulação cerebral.

epidemia psiquiátrica - Aparecimento inesperado ou aumento da incidência de um comportamento estereotipado, queixa somática, pseudo-alucinação ou sintoma cognitivo-emocional em um grupo de pessoas (p.ex., estudantes, trabalhadores em uma fábrica ou loja, soldados de uma unidade militar, um grupo étnico). Fatores econômicos, políticos ou outros fatores sociais contribuem para o surgimento dessas epidemias. Os exemplos variam de queixas somáticas ou cognitivas vagas à síndrome específicas, tais com o koro, tentativas de suicídio agregadas ou agressões que podem disseminar-se de modo "contagiante". Ver contágio; histeria.

epilepsia do lobo temporal - Epilepsia parcial na qual a descarga neuronal ou a lesão responsável pelas crises afeta, parcial ou totalmente, o lobo temporal. Este tipo de epilepsia inclui convulsões com sintomas elementares sensoriais (auditivos, olfativos ou gustativos) ou sintomas motores, bem como com sintomas psíquicos (crise epiléptica psíquica), psicossensoriais (crise epiléptica ilusória, crise epiléptica alucinatória) ou sintomas psicomotores (convulsão epiléptica com movimentos automáticos). Sinonímia: epilepsia psicomotora.

epilepsia límbica - Subtipo de epilepsia de lobo temporal no qual se suspeita que alterações fisiopatológicas relacionadas com excitação do sistema mesolímbico conduzem desde o desenvolvimento de alterações graduais da personalidade e do comportamento até graves transtornos do humor ou psicose esquizofrenomorfa. Ver epilepsia do lobo temporal.

epilepsia psicomotora - Ver epilepsia do lobo temporal.

episódio - Forma de manifestação de uma patologia aguda que se inicia subitamente e dura pouco tempo (segundos, minutos, horas ou, no máximo, poucos dias). Em geral, há uma rápida recuperação, mas pode, em muitos casos, apresentar tendência a se repetir, geralmente da mesma maneira, com os mesmos sintomas que surgem na mesma seqüência. Das formas de evolução episódica das doenças mentais, fala-se de fase, quando se trata de depressão, de surto, diante de casos de esquizofrenia, e, finalmente de crise, com referência à epilepsia ou a rupturas de um estado de equilíbrio (como em crises vitais).

episódio depressivo (F32) - Estado de doença que manifesta características de depressão, as quais podem ser especificadas como leves, moderadas ou graves, dependendo da intensidade ou número de sintomas. A forma grave pode ser ainda subdividida de acordo com a presença ou ausência de sintomas psicóticos congruentes ou não com o humor. Note-se que, apesar desta categoria constar da CID-10, se a compararmos com o conceito de episódio mencionado acima, é inadequado falar-se de episódio depressivo, dada a duração da doença. Mais correto seria falarmos de fase depressiva. Ver depressão, transtorno depressivo recorrente.

episódio esquizofrênico10 agudo - Transtorno esquizofrênico10 no qual há um estado oniróide com leve turvação da consciência e perplexidade. Fatos externos, pessoas e eventos podem se tornar carregados de significados pessoais para o paciente. Pode haver idéias de referência e agitação psicomotora. Em muitos desses casos, a remissão do quadro ocorre em poucas semanas ou meses, mesmo sem tratamento.

episódio paroxistico de ansiedade - Ver transtorno de pânico.

ereção noturna - Ver tumescência noturna do pênis.

escala de vineland - Escala baseada na idade, semelhante em sua constituição ao teste Stanford-Binet, que cobre todo o período entre o nascimento até a vida adulta e que se propõe a medir o desenvolvimento socioemocional em termos de Quociente Social. A validade da escala é incerta e os resultados do teste podem ser indevidamente distorcidos pela influência dos pais.

escorbuto - Síndrome de deficiência nutricional causada pela falta do ácido ascórbico (vitamina C) e caracterizada por sangramento, fragilidade das gengivas, hemorragias intramusculares e intradérmicas e dores em músculos e articulações. Ocorre principalmente em indivíduos subnutridos que ingerem pouca fruta ou vegetais verdes. Nos países desenvolvidos, o escorbuto é visto principalmente na população de alcoolistas.

escrupulosidade - No catolicismo romano, o medo excessivo de ter cometido vários pecados, apesar dos supostos pensamentos ou ações serem moralmente aceitáveis pela religião.

espectro genético da esquizofrenia - Conjunto interminável de aspectos e peculiaridades mal definidos, que são postulados como alternativa ou expressões fenotípicas parciais do(s) genótipo(s) que permeiam a esquizofrenia. A suposta ligação com a esquizofrenia é baseada na sua ocorrência freqüente em parentes de primeiro grau de indivíduos com doença esquizofrênica10 manifesta. Normalmente estão incluídos casos limítrofes ou esquizofrenia latente, transtorno esquizotípico, transtornos esquizóides e de personalidade paranóide. Ao conceito de espectro falta especificidade e por isso tem-se mostrado de uso limitado, se é que tem alguma relevância para o trabalho clínico cotidiano.

espírito - Ser ou entidade sobrenatural concebido em forma humana ou não. É um conceito encontrado universalmente em todas as culturas e tido como capaz de controlar eventos, tanto no sentido construtivo como no destrutivo. Constitui um elemento fundamental em vários sistemas religiosos, que vão do animismo (que concebe muitos aspectos da natureza como sendo habitados por espíritos) até culturas com um panteão estabelecido de altos deuses (p.ex., hinduísmo, islamismo, cristianismo). Embora a crença cultural na existência de "espíritos" em uma dada sociedade possa ser normativa, as crenças de um dado indivíduo pode ser culturalmente inadequada e ter um caráter patológico.

espírito do tempo (al.: zeitgeist) - Expressão que designa o contexto, ambiente, clima ou ethos psicocultural de uma época.

esquizofrenia (F20) - Transtorno caracterizado, em geral, por distorções fundamentais e características do pensamento e da percepção e por afeto inadequado ou embotado. A consciência clara e a capacidade intelectual estão usualmente mantidas, embora certos déficits cognitivos possam surgir no curso do tempo. A perturbação envolve as funções mais básicas que dão à pessoa normal um senso de individualidade, unicidade e de direção de si mesmo. Os mais íntimos pensamentos, sentimentos e atos são freqüentemente sentidos como conhecidos ou partilhados por outros e podem desenvolver-se delírios explicativos, a ponto de o indivíduo atingido crer que forças naturais ou sobrenaturais trabalham de forma a influenciar seus pensamentos e ações, de modo freqüentemente bizarro. Embora nenhum sintoma estritamente patognomônico possa ser identificado, os fenômenos psicopatológicos mais importantes incluem eco do pensamento, inserção ou roubo do pensamento, difusão do pensamento, percepção delirante e delírio de controle, influência ou passividade, vozes alucinatórias comentando ou discutindo com o paciente na terceira pessoa, alterações do curso do pensamento, catatonia ou sintomas negativos. O curso da esquizofrenia pode ser contínuo ou episódico com déficit progressivo ou estável seguindo os episódios, ou consistindo de um ou mais episódios com remissão completa.

esquizofrenia catatônica (F20.2) - Transtorno esquizofrênico dominado por proeminentes perturbações psicomotoras que podem alternar-se entre extremos de hipercinesia e estupor, ou obediência automática e negativismo. Atitudes e posturas forçadas podem ser mantidas por longos períodos. Episódios de agitação violenta podem ser um aspecto notável da condição. O fenômeno catatônico pode estar combinado com um estado oniróide com vívidas alucinações cênicas. Ver estupor.

esquizofrenia cenestopática - Estado crônico4 de mal-estar físico generalizado, caracterizado por sensações anormais em várias partes do corpo e não atribuídas a nenhum processo mórbido identificável. Quando a cenestopatia constitui um traço das esquizofrenias, a interpretação delirante é proeminente. Este termo foi introduzido por Dupré (1862-1921). Enquanto uma entidade diagnostica, a esquizofrenia cenestopática não é mais aceita e a continuidade do uso do termo não é recomendada.

esquizofrenia desorganizada - Ver esquizofrenia hebefrênica.

esquizofrenia hebefrênica (F20.1) - Forma de esquizofrenia que normalmente se inicia na adolescência ou em adultos jovens, na qual as mudanças afetivas são proeminentes, sendo comuns delírios e alucinações fugazes e fragmentados, comportamentos irresponsáveis e imprevisíveis e maneirismos. O afeto é superficial e inadequado, o pensamento é desorganizado e a fala incoerente. Há uma tendência bem marcada ao isolamento social. O prognóstico tende a ser muito pobre, por causa do rápido desenvolvimento de sintomas negativos, particularmente embotamento afetivo e perda da volição. Sinonímia: esquizofrenia desorganizada; hebefrenia.

esquizofrenia indiferenciada - Condição que vai ao encontro dos critérios diagnósticos gerais da esquizofrenia, mas que não se adequa a nenhum de seus subtipos específicos ou que apresenta aspectos de mais de um deles.

esquizofrenia latente - Ver transtorno esquizotípico.

esquizofrenia limítrofe (borderline) - Ver transtorno esquizotípico.

esquizofrenia parafrênica (F20.0) - Termo aplicado ocasionalmente a doenças paranóides de início relativamente tardio, nas quais o quadro clínico é dominado por delírios sistematizados expansivos ou fantásticos. No esquema de Leonhard, parafrenia é o termo preferido para todas as formas de psicoses esquizofrênicas dentro do grupo sistemático deste transtorno.

esquizofrenia paranóide (F20.0) - Transtorno esquizofrênico dominado por delírios paranóides relativamente estáveis, usualmente acompanhados por alucinações, particularmente da variedade auditiva, e outras alterações da sensopercepção. Alterações do afeto, volição, discurso e sintomas catatônicos ou estão ausentes ou são relativamente insignificantes. Ver esquizofrenia parafrênica.

esquizofrenia pseudoneurótica - Ver transtorno esquizotípico.

esquizofrenia pseudopsicopática - Ver transtorno esquizotípico.

esquizofrenia residual (F20.5) - Estágio crônico no desenvolvimento de um transtorno esquizofrênico no qual houve uma clara progressão de um estágio inicial com um ou mais episódios psicóticos para um estágio mais tardio caracterizado por sintomas negativos de longa duração, embora não necessariamente irreversíveis. Além destes, pode também ocorrer perturbações, tais como retardo psicomotor, hipoatividade, afeto embotado, passividade e falta de iniciativa, pobreza quantitativa ou qualitativa da fala e da comunicação não verbal, dos autocuidados e do desempenho social. Sinonímia: estado residual esquizofrênico.

esquizofrenia simples (F20.6) - Transtorno no qual há um desenvolvimento insidioso, porém progressivo de condutas estranhas, uma incapacidade em atender às demandas da sociedade e um declínio no desempenho como um todo. Os aspectos negativos característicos da esquizofrenia residual se desenvolvem sem serem precedidos por nenhum sintoma francamente psicótico.

esquizofrenia, tipo não diferenciado - Tipo de esquizofrenia caracterizado por delírios proeminentes, alucinações, incoerência ou comportamento amplamente desorganizado que não pode ser classificado em uma das outras categorias.

estado alucinatório - Ver alucinose.

estado alucinatório induzido por drogas - Ver transtorno psicótico induzido por álcool ou droga; transtorno psicótico residual ou de início tardio induzido por álcool ou droga; transtorno por uso de substância psicoativa.

estado borderline - Ver estado limítrofe.

estado confusional orgânico agudo - Ver delirium.

estado crepuscular - Estado de consciência perturbado, no qual um comportamento complexo e irracional pode ocorrer sem nenhuma recordação posterior. Os estados crepusculares podem ocorrer associados com despertar do sono, epilepsia, intoxicação alcoólica e delirium.

estado de crise - Ver reação de crise.

estado dismnésico - Ver síndrome amnésica orgânica.

estado esquizofrênico residual - Ver esquizofrenia residual.

estado limítrofe - Termo impreciso empregado com referência a três tipos de transtornos mentais: 1. Forma incompleta de esquizofrenia, virtualmente sinônimo de transtorno de personalidade esquizóide. 2. Categoria geral de transtorno de caráter ou personalidade, construída em termos psicanalíticos como uma perturbação da função do ego. 3. Forma mais específica de transtorno de personalidade caracterizado por relações afetivas comprometidas, uma identidade própria deficiente, sentimentos de solidão depressiva e uma tendência a acessos de raiva. Nenhuma dessas categorias foi estabelecida como uma síndrome clínica válida.

estado mental - Nível de funcionamento da psique, incluindo o funcionamento intelectual de uma pessoa e seus aspectos emocionais, comportamentais, psicológicos e de personalidade. O termo geralmente é usado para referir-se aos resultados do exame do estado mental de um indivíduo.

estado oniróide - Estado no qual surgem fenômenos de despersonalização/desrealização contra um fundo de leve turvação da consciência. Os estados oniróides podem ser uma etapa numa escala de alterações mais profundas da consciência, que chegam até os estados crepusculares e o delirium; entretanto, podem também ocorrer em doenças neuróticas e em estados de fadiga. Em certas formas de epilepsia, bem como em certas doenças psicóticas agudas, pode aparecer uma forma complexa de estado oniróide com alucinações visuais intensas e cénicas, que podem ainda ser acompanhadas de outras modalidades alucinatórias.

estado paranóide simples - Ver transtorno delirante.

estafa mental (ing.: brain fag) - Condição originalmente descrita em estudantes da África de língua inglesa (forma sincopada de brain fatigue), caracterizada por sintomas na cabeça (desde sensações de queimação até alucinações de vermes rastejando dentro do cérebro), sintomas oculares (desde lacrimejamento até dor), incapacidade para ler, dismnésia de fixação recente e fadiga, apesar de descanso adequado. Surmenage é a expressão leiga equivalente em Fr.

estágio anal - Segundo estágio do desenvolvimento psicossexual, seguindo-se imediatamente ao estágio oral, marcado por uma mudança da energia libidinal para o ânus e uretra; inclui as fases tanto anal - expulsiva e anal - retentora. Muitos traços adultos, tais como mesquinharia, armazenamento e coleção, encontram seus protótipos aqui.

estágio fálico - Período do desenvolvimento psicossexual dos 3 aos 6 anos, aproximadamente, durante o qual o interesse sexual, curiosidade e experiência agradável centralizam-se no pênis e, nas meninas, com um grau menor, no clitóris.

estereotipia - Ver transtorno estereotipado da movimentação.

esteróide - Substância do grupo de hormônios naturais ou sintéticos que são lipídios complexos baseados na molécula de colesterol que afetam o crescimento, processos químicos do organismo e funções fisiológicas sexuais, entre outras. Compreende os hormônios corticais, testiculares e ovarianos e seus derivados. No contexto do uso de drogas e problemas relacionados, os esteróides anabolizantes são os que causam maior preocupação. Estes compostos são relacionados aos hormônios sexuais masculinos; eles aumentam a massa muscular e, nas mulheres, causam masculinização. Os esteróides anabolizantes são utilizados inadequadamente por atletas com o objetivo de aumentar a força e o desempenho. O uso indevido de esteróides corticais é raro. Ver abuso de substâncias que não produzem dependência; doping.

estimulante - Agente que aumenta a atividade funcional de um organismo ou de qualquer parte de um organismo. Os estimulantes podem ser categorizados pelo sistema somático, pela função ou pelo agente em questão. Os estimulantes do sistema nervoso central incluem os analépticos (p.ex., estricnina, picrotoxina) e as aminas simpaticomiméticas (p.ex., anfetamina, cocaína).

Com referência ao sistema nervoso central, qualquer agente que ative, potencie ou aumente a atividade neural; também chamado de psicoestimulante. Compreende as anfetaminas, a cocaína, a cafeína e outras xantinas, a nicotina, e os supressores do apetite sintéticos, tais como a fenmetrazina e o metilfenidato. Outras drogas têm ações estimulantes que, embora não sejam seus efeitos primários, podem manifestar-se em altas doses ou após o uso crônico; estes incluem os antidepressivos, os anticolinérgicos, e certos ópioides.

Os estimulantes podem induzir sintomas sugestivos de intoxicação, incluindo taquicardia, dilatação pupilar, aumento da pressão sanguínea, hiper-reflexia, sudorese, calafrios, náusea e vômitos, e comportamento anormal tal como agressão, grandiosidade, hipervigilância, agitação e alteração do juízo crítico. O uso crônico geralmente induz alterações de personalidade e comportamento, tais como impulsividade, agressividade, irritabilidade e desconfiança. Pode ocorrer uma psicose alucinatória completa. A interrupção da ingestão após períodos de consumo prolongado ou elevado pode produzir uma síndrome de abstinência, com humor depressivo, fadiga, alterações de sono e aumento de sonhos.

Na CID-10, os transtornos mentais e de comportamento decorrentes do uso de estimulantes são subdivididos em (i) devido ao uso de cocaína (F14) e (ii) devido ao uso de outros estimulantes, inclusive a cafeína (F15). Proeminente entre eles estão a psicose anfetamínica e a psicose por cocaína. Ver transtorno psicótico induzido por álcool ou droga.

estimulante do snc - Ver estimulante.

estresse - No uso atual, este termo é empregado de modo variável para descrever diversos tipos de estímulos aversivos de intensidade excessiva, ou as respostas subjetivas, comportamentais e fisiológicas aos mesmos; ou o contexto que medeia o encontro entre o indivíduo e os estímulos estressantes; ou todos os acima mencionados considerados como sistema. O termo, obviamente, é por demais abrangente e deve ser empregado com parcimônia.

estressor - Qualquer condição estimulante nociva que provoque a reação de estresse, i.é., o somatório de todas as respostas fisiológicas não específicas que resultem em desgaste num sistema biológico. Ver estupor.

estressor psicossocial - Qualquer acontecimento ou mudança na vida que possa estar temporalmente (e talvez causalmente) associado com o início, ocorrência ou exacerbação de um transtorno mental.

estupor - Estado caracterizado por incomunicabilidade, ausência, diminuição profunda ou bloqueio dos movimentos voluntários e falta de resposta psicomotora; a consciência pode estar perturbada, de acordo com a natureza da condição causal. Os estados estuporosos ocorrem em associação com doença cerebral orgânica, esquizofrenia (especialmente a sua forma catatônica), doenças depressivas, psicose histérica e reação aguda ao estresse.

estupor dissociativo (F44.2) - Profunda diminuição ou ausência de movimentos voluntários e da capacidade de resposta aos estímulos externos, tais como luz, ruído ou toques na ausência de quaisquer indícios de uma causa física. Além disso, há evidências positivas de uma etiologia psicogênica, sob a forma de eventos ou problemas estressantes recentes. Ver estupor.

etanol - Ver álcool.

ético - Em ciências do comportamento e em psiquiatria e psicologia transculturais, a interpretação de comportamentos de uma dada cultura, feita por pessoas alheias àquela cultura; em ciências sociais, perspectivas transculturais relativas a costumes, normas, valores, etc. O termo foi formado por analogia com fonético ou seja, aspectos estruturados de sons em vários idiomas, embora eles tenham (ou possam ter) diferentes significações ou conotações. Ver êmico.

etnia - Referente a distintos subgrupos culturais dentro de uma cultura que compartilham características como vestuário, linguagem, origem nacional, raça ou religião e que tendem a permanecer distintos através do casamento e de uma identidade grupal separada. Outras características distintivas, embora não necessárias, de um grupo étnico podem ser: educação especial, local de residência, história, linguagem, dialeto, ocupação, afiliação religiosa ou organização política. Este conceito difere do de subcultura por não se referir a grupos constituídos em termos de características comportamentais, econômicas20, educacionais, ocupacionais ou políticas (p.ex., artistas, atletas, pessoas do clero, homossexuais, elites).

etiologia - Causação, particularmente com referência a doenças.

etnocentrismo - Sobrevalorização da própria cultura em relação a outras culturas, de modo que o bom, o correto, o belo, o normal, o saudável ou o racional são julgados com base na própria cultura como padrão ideal; preconceito cultural ou étnico. Relativismo cultural é antônimo de etnocentrismo. Ver relativismo cultural.

euforia - Sentimento exagerado de bem-estar físico e emocional, geralmente de origem psicológica.

exaltação - Estado afetivo de alegria, o qual, quando intensificado e sem conexão com as circunstâncias, é um sintoma dominante da mania e da hipomania.

exame diagnóstico - Ver teste diagnóstico.

exame psiquiátrico geral - Avaliação de um indivíduo por especialista em psiquiatria com o propósito de diagnóstico, tratamento e prognóstico. O procedimento inclui a obtenção da história clínica, o exame físico, a entrevista clínica e os testes psicológicos e físicos.

excitação - Um conceito psicofisiológico incorporando um estado de alerta de grau variável, associado à estimulação e à ativação de impulsos corticosseptais da formação reticular. A excitação tem sido relacionada com teorias de personalidade, bases biológicas dos impulsos, resposta a drogas e transtornos mentais. Ver hiperexcitabilidade autonômica com hipervigilância.

excitação psicomotora - Hiperatividade física e emocional generalizada em resposta a estímulos internos e/ou externos, tais como na hipomania.

exibicionismo (F65.2) - Um transtorno da preferência sexual (parafilia) consistindo numa tendência recorrente ou persistente a expor a genitália a estranhos (usualmente do sexo oposto) ou a pessoas em lugares públicos, sem convite ou pretensão de contato mais íntimo. Há em geral, mas não invariavelmente, excitação sexual quando da exposição e o ato é comumente seguido de masturbação.

existencialismo - Abordagem filosófica da vida baseada na aceitação do aqui-e-agora, sem nenhuma pressuposição de significados ou objetivos imanentes além do que é aparente, do que existe. Ver visão do mundo.

experiência de quase morte - Um estado subjetivo de forte afeto positivo, dissociação do self físico, alargamento da consciência e insight transcendental, que é algumas vezes relatado por pessoas sobreviventes de acidentes ou de doenças quase fatais.

experiências sobrenaturais - Experiências que envolvem uma suposta comunicação com espíritos ou pessoas já falecidas, nas quais se observam transe, falar em idiomas desconhecidos ou outros fenômenos comportamentais ou sensoriais que podem ser confundidos com alucinações ou comportamento psicótico. Estas experiências são tipicamente apoiadas por um grupo religioso ou cultural, ocorrem em lugares especiais, durante um período de tempo limitado e não são incapacitantes. Elas podem ser prescritas para certas pessoas numa dada cultura, através do uso de métodos de privação ou hiperestimulação sensorial, isolamento social, jejum, concentração ou uso de substâncias psicoativas. Ver transe.