CRITÉRIOS DSM-IV

F20 - ESQUIZOFRENIA

A. Sintomas Característicos: Pelo menos dois dos seguintes, cada um presente por um espaço significativo de tempo durante um período de um mês (ou menos, caso tratado com êxito):
(1) delírios
(2) alucinações
(3) fala desorganizada (ex., descarrilhamento freqüente ou incoerência)
(4) comportamento totalmente desorganizado ou catatônico
(5) sintomas negativos, ou seja, embotamento afetivo, alogia ou avolição

        (Nota: apenas um sintoma A é necessário se os delírios são bizarros ou as alucinações consistem de uma voz mantendo um comentário sobre o comportamento ou pensamentos da pessoa ou duas ou mais vozes conversando entre si).

B. Disfunção Ocupacional/Social: Durante um espaço significativo de tempo, desde o início do distúrbio, uma ou mais áreas principais de funcionamento como trabalho, relações interpessoais ou auto-cuidado encontram-se significativamente abaixo do nível atingido antes do início (ou quando o início ocorre na infância ou na adolescência, fracasso em atingir o nível esperado de desempenho interpessoal, acadêmico ou ocupacional).

C. Duração: Sinais contínuos do distúrbio persistem no mínimo durante seis meses. Este período de seis meses deve incluir pelo menos um mês com os sintomas que satisfazem o critério A (ou seja, sintomas da fase ativa) e podem incluir períodos prodrômicos e/ou residuais quando o critério A não é plenamente satisfeito. Durante esses períodos, os sinais do distúrbio podem ser manifestados por sintomas negativos ou por dois ou mais sintomas listados no critério A presentes em uma forma atenuada (ex., a duração total dos períodos ativo e residual).

D. Distúrbio esquizoafetivo e Distúrbio de Humor com Características Psicóticas foram descartados devido a: (1) nenhum episódio significativo depressivo ou maníaco ocorreu simultaneamente com os sintomas da fase ativa; ou (2) se episódios de humor ocorreram durante o episódio psicótico, sua duração total foi breve em relação à duração do episódio psicótico (ou seja, à duração total dos períodos ativo e residual).

E. Exclusão de Substância/Condição clínica geral: O distúrbio não é devido a efeitos fisiológicos diretos de uma substância (ex., uma droga de abuso, uma medicação) ou uma condição clínica geral.

F. Relacionamento a um Distúrbio Global do Desenvolvimento: Se há uma história de Distúrbio Autístico ou um Distúrbio Global do Desenvolvimento, o diagnóstico adicional de Esquizofrenia é estabelecido apenas se delírios ou alucinações proeminentes também encontram-se presentes durante pelo menos um mês (ou menos, caso o tratamento tenha êxito).

        Classificação do curso longitudinal (pode ser aplicada somente após pelo menos um ano desde o primeiro início dos sintomas da fase ativa):


Subtipos de Esquizofrenia

        Episódica com Sintomas Residuais Interepisódio (os episódios são definidos pelo reaparecimento de sintomas psicóticos proeminentes); também especificar se: Com sintomas Negativos Proeminentes Episódicos.

        Sem Nenhum Sintoma Residual Interepisódio Contínuo (sintomas psicóticos proeminentes estão presentes no transcorrer do período de observação); também especificar se: Com Sintomas Negativos Proeminentes Contínuos (sintomas psicóticos proeminentes estão presentes no transcorrer do período de observação); também especificar se: Com Sintomas Negativos Proeminentes.

         Episódio Isolado em Remissão Parcial, também especificar se: Com Sintomas Negativos Proeminentes.

        Episódio Isolado em Remissão Total.

         Outro ou Padrão Não Especificado.

Tipo Paranóide

        Um tipo de esquizofrenia no qual os critérios a seguir são preenchidos:

A. Preocupação com um ou mais delírios ou alucinações auditivas freqüentes.

B. Nenhum dos seguintes é proeminente: fala desorganizada, comportamento desorganizado ou catatônico ou afeto embotado ou inapropriado.

Tipo Desorganizado

        Um tipo de Esquizofrenia no qual os critérios a seguir são preenchidos:

A. Todos os seguintes são proeminentes:
(1) fala desorganizada
(2) comportamento desorganizado
(3) afeto embotado ou inapropriado

B. Não preenche critérios para o tipo Catatônico.

Tipo Catatônico

        Um tipo de Esquizofrenia no qual o quadro clínico é dominado por pelo menos dois dos seguintes:

(1) imobilidade motora, conforme evidenciada por catalepsia (incluindo flexibilidade cérea) ou estupor;
(2) agitação extrema (atividade motora excessiva aparentemente sem propósito e não influenciada por estímulos externos);
(3) negativismo extremo (resistência aparentemente imotivada a todas as instruções ou manutenção de uma postura rígida contra tentativas de ser movido), ou mutismo;
(4) peculiaridades de movimento voluntário conforme evidenciadas por posturas inadequadas (assumir voluntariamente posturas inapropriadas ou bizarras) movimentos estereotipados, maneirismos predominantes ou esgares proeminentes;
(5) ecolalia ou ecopraxia.

Tipo Indiferenciado

        Um tipo de esquizofrenia no qual sintomas que satisfazem o critério A estão presentes, mas os critérios não são satisfeitos para os tipos Paranóide, Catatônico Desorganizado.

Tipo Residual

        Um tipo de Esquizofrenia no qual os critérios a seguir são satisfeitos:

A. Critério A para Esquizofrenia (ou seja, sintomas da fase ativa) não são mais satisfeitos.

B. Há evidências contínuas do distúrbio conforme indicado pela presença de sintomas negativos ou de dois ou mais sintomas incluídos no critério A para Esquizofrenia, presente em uma forma atenuada (ex., crenças estranhas experiências perceptivas incomuns).

F20.8 DISTÚRBIO ESQUIZOFRENIFORME

A. Satisfaz critérios A, D, E e F de Esquizofrenia.

B. Um episódio do distúrbio (incluindo fases prodrômica, ativa e residual) dura menos de seis meses. (Quando o diagnóstico deve ser estabelecido sem espera pela recuperação, deve ser.qualificado como "provisório")

        Especificar:
         Sem Boas Características Prognósticas;
        Com Boas Características Prognósticas conforme evidenciado por pelo menos dois dos seguintes:
(1) início dos sintomas psicóticos proeminentes dentro de quatro semanas após primeira mudança perceptível no comportamento ou funcionamento usual;
(2) confusão ou perplexidade no auge do episódio psicótico;
(3) bom funcionamento pré-mórbido social e ocupacional;
(4) ausência de afeto embotado ou achatado.

F25. DISTÚRBIO ESOUIZOAFETIVO

A. Um episódio durante o qual, em algum momento, não há um episódio depressivo maior* ou episódio maníaco simultâneo com sintomas que satisfazem o critério A para Esquizofrenia.
* Episódio depressivo maior deve incluir humor deprimido A(1).

B. Durante o mesmo episódio, houve um período de delírios ou alucinações durante pelo menos duas semanas na ausência de sintomas de humor proeminentes.

C. Sintomas que satisfazem critérios para um episódio de humor estão presente, durante uma parte substancial do episódio psicótico (incluindo períodos ativo e residual).

D. O distúrbio não decorre de efeitos fisiológicos diretos de uma substância (ex., uma droga de abuso, um medicamento) ou uma condição médica geral.

Especificar tipo:
Tipo Maníaco: se episódio maníaco;
Tipo Depressivo: se episódio depressivo.

F22.0 DISTÚRBIO DELIRANTE

A. Delírios não bizarros (ou seja, envolvendo situações que ocorrem na vida real, tais como ser seguido, envenenado, infectado, amado à distância, ter uma doença, ser enganado pelo esposo ou amante) de pelo menos um mês de duração.

B. Ausência de outras características da fase ativa da Esquizofrenia, ou seja, nenhum dos sintomas seguintes, por mais de algumas horas: alucinações, fala desorganizada, comportamento altamente desorganizado ou catatônico; ou sintomas negativos (ou seja, embotamento afetivo, alogia ou avolição).

(Nota: Alucinações táteis e olfativas não são excluídas se relacionadas a tema delirante.)

C. Além do impacto dos delírios ou suas ramificações, o funcionamento não é marcantemente prejudicado e o comportamento não é obviamente estranho ou bizarro.

D. O distúrbio delirante não se explica por um Distúrbio de Humor com Características Psicóticas (ou seja, para diagnosticar Distúrbio de Humor com Características Psicóticas, os delírios não estiveram presentes por mais de duas semanas na ausência dos sintomas de humor proeminentes).

E. O distúrbio não é devido aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância (ex., uma droga de abuso, um medicamento) ou uma condição médica geral.

Especificar tipo: (os tipos a seguir são atribuídos com base no tema delirante proeminente)

Tipo Erotomaníaco:
delírios de que uma outra pessoa, geralmente de status superior, está apaixonada pelo indivíduo.
Tipo Megalomaníaco: delírios de possuir grandes valores, poder, conhecimento, identidade ou relacionamento especial com uma deidade ou pessoa famosa.
Tipo Ciumento: delírios de que o parceiro sexual é infiel.
Tipo Persecutório: delírios de estar sendo, de algum modo, maltratado (ou alguém a quem a pessoa é próxima está sendo maltratado).
Tipo Somático: delírios de que a pessoa apresenta algum defeito físico ou condição médica geral.
Tipo Misto: delírios característicos de um ou mais dos tipos acima, sem predominância de nenhum deles.
Tipo Não especificado.

298.8 DISTÚRBIO PSICÓTICO BREVE

A. Presença de pelo menos um dos seguintes sintomas:
(1) delírios
(2) alucinações
(3) fala desorganizada (ex., descarrilhamento ou incoerência freqüente);
(4) comportamento altamente desorganizado ou catatônico.


Nota: não inclua um sintoma se ele for um padrão de resposta culturalmente aceito.

B. A duração de um episódio do distúrbio é pelo menos de um dia e não mais cna um mês, com eventual retorno total ao nível pré-mórbido de funcionamento. (Quando o diagnóstico deve ser estabelecido sem aguardar pela recuperação esperada, ele deve ser qualificado como "provisório".)

C. Não se explica por um Distúrbio de Humor (ou seja, nenhuma síndrome de humor completa encontra-se presente) ou Esquizofrenia e não é devido aos efeitos diretos de uma substância (ex., drogas de abuso, medicação) ou condição médica geral.

Especificar se:

Com Estressor(es) Marcante(s) (Reativo Breve): quando os sintomas ocorrem logoo após e de forma clara em resposta a eventos que, isoladamente ou em conjunto, seriam fortemente estressantes para qualquer um em circunstâncias semelhantes na cultura da pessoa.

Sem Estressor(es) Marcante(s): quando os sintomas psicóticos não ocorrem logo após ou de forma clara em resposta a eventos que, isoladamente ou em conjunto, seriam fortemente estressantes para qualquer um em circunstâncias semelhantes na cultura da pessoa.

Com Início Pós-parto: quando o início ocorre dentro de 4 semanas pós-parto.

297.3 Distúrbio Psicótico Partilhado (Folie a Deux)

A. Um delírio se desenvolve em um indivíduo no contexto de um relacionamento próximo com outra(s) pessoa(s) que apresenta um delírio já estabelecido.

B. O delírio é semelhante em conteúdo à pessoa que já apresenta o delírio estabelecido.
C. Não se explica por um outro Distúrbio Psicótico (ex., Esquizofrenia) ou um Distúrbio de Humor com Características Psicóticas e que não é devido aos efeitos diretos de uma substância (ex., drogas de abuso, medicação) ou condição médica geral.

298.8X DISTÚRBIO PSICÓTICO DEVIDO À CONDIÇÃO MÉDICA GERAL

A. Alucinações ou delírios proeminentes.

B. Há evidências a partir da história, exame físico ou achados laboratoriais de que o distúrbio é conseqüência fisiológica direta de uma condição médica geral.

C. O distúrbio não se explica por um outro distúrbio mental.

D. O distúrbio não ocorre exclusivamente durante o curso de um delírio.

Código com base nos sintomas proeminentes:
.x1 Com Delírios: se os delírios são o sintoma predominante;
.x2 Com Alucinações: se as alucinações são o sintoma predominante.


DISTÚRBIO PSICÓTICO INDUZIDO POR SUBSTÂNCIA

A. Alucinações ou delírios proeminentes. Nota: Não inclua alucinações quando a pessoa tem consciência de que elas são induzidas por substância.

B. Há evidências a partir da história, exame físico ou achados laboratoriais de intoxicação ou abstenção de substância e dos sintomas em A, desenvolvidos durante ou dentro de um mês de intoxicação ou abstenção significativa de substância psicoativa?

C. O distúrbio não se explica por um distúrbio psicótico não induzido por substância? São as seguintes as evidências de que os sintomas se explicam por um distúrbio psicótico não induzido por substância: os sintomas precedem o início do abuso ou dependência de substância; persistem por um grande espaço de tempo (ex., aproximadamente um mês) após a reação aguda de abstinência ou intoxicação severa; são significativamente mais numerosos do que seria esperado dados o caráter, a duração ou a quantidade da substância usada; há outras evidências que sugerem a existência de um distúrbio independente, não provocado por substância (ex., uma história de episódios recorrentes não relacionados a substância).

D. O distúrbio não ocorre exclusivamente no transcurso de Delírio ou Demência.

Código: (Substância específica) Distúrbio Psicótico
9291.5 Álcool com delírios; 291.3 Álcool com alucinações; 291.11 Anfetamina (ou substância similar) com alucinações; 291.11 Canabis com delírios; 291 .12 Canabis com alucinações; 291.11 Cocaína com delírios; 291.12 Cocaína com alucinações; 291.11 Alucinógeno com delírios; 291.12 Alucinógeno com alucinações; 291.11 Inalante com delírios; 291.12 Inalante com alucinações; 291.11 Opióide com delírios; 291.12 Opióide com alucinações; 291.11 Fenilciclidina (ou substância similar) com delírios; 291.12 Fenilciclidina (ou substância similar) com alucinações; 291.11 Sedativo, Hipnótico ou Ansiolítico com delírios; 291.12 Sedativo, Hipnótico ou Ansiolítico com alucinações; 291.11 Outras Substâncias (ou Substâncias Desconhecidas) com delírios; 291.12 Outras Substâncias (ou Substâncias desconhecidas) com alucinações.

        Nota de codificação: também codifique Intoxicação ou reação de abstinência de substância específica se os critérios forem satisfeitos.

        Especifique se:
com início durante a intoxicação;
com início durante a abstenção.

298.9 TRANSTORNO PSICÓTICO NÃO ESPECIFICADO

        Esta categoria deve ser usada para diagnosticar sintomatologia psicótica (ou seja, delírios, alucinações, fala desorganizada, comportamento altamente desorganizado ou catatônico) sobre os quais há informações inadequadas para estabelecer um diagnóstico específico ou sobre os quais há informações contraditórias ou de apresentações psicóticas que não preenchem os critérios para quaisquer dos distúrbios psicóticos específicos acima definidos.

        Exemplos:
1) psicose pós-parto que não satisfaçam critérios para Distúrbio de Humor com Características Psicóticas, Distúrbio Psicótico Breve, Distúrbio Psicótico Devido ao tratamento de uma doença ou Distúrbio Psicótico provocado por Substância;
2) alucinações auditivas persistentes na ausência de quaisquer outras características;
3) delírios não bizarros persistentes com períodos de episódios de humor sobrepostos que estiveram presentes durante uma parte substancial do distúrbio delirante;
4) psicose com características clínicas confusas que impossibilitam um diagnóstico mais específico;
5) situações nas quais o clínico concluiu que um distúrbio psicótico está presente mas é incapaz de determinar sua importância, devido a um tratamento de doença ou induzido por substância.